Index   Back Top Print

[ EN  - ES  - FR  - IT  - PT ]

CELEBRAÇÃO MATUTINA TRANSMITIDA AO VIVO
DA CAPELA DA CASA SANTA MARTA

HOMILIA DO PAPA FRANCISCO

"Permanecer no Senhor"

Quarta-feira, 1 de abril de 2020

[Multimídia]


 

Introdução

Hoje gostaria que rezássemos por todos aqueles que trabalham na mídia, que trabalham para comunicar, hoje, para que as pessoas não se sintam tão isoladas; para a educação das crianças, para a informação, para as ajudar a suportar este tempo de fechamento.

Homilia

Nestes dias, a Igreja faz-nos ouvir o capítulo oito de João: há uma discussão acalorada entre Jesus e os doutores da Lei. E sobretudo, há uma tentativa de mostrar a própria identidade: João procura aproximar-nos daquela luta para esclarecer a própria identidade, tanto a de Jesus como a dos doutores. Jesus coloca-os num canto, mostrando-lhes as suas contradições. E eles, no final, não encontram outra saída senão o insulto: é uma das páginas mais tristes, é uma blasfémia. Eles insultam Nossa Senhora.

Mas, falando de identidade, Jesus disse aos judeus que tinham acreditado: «Se permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos» (Jo 8, 31). Ele volta a esta palavra tão querida ao Senhor que a repetirá muitas vezes, e também na ceia: permanecer. «Permanecei em mim». Permanecei no Senhor. Ele não diz: «Estudai bem, aprendei bem as argumentações»: ele considera isto como garantido. Mas ele focaliza o  mais importante, que é mais perigoso para a vida, se não for feito: permanecer. «Permanecei na minha palavra» (Jo 8, 31). E aqueles que permanecerem na palavra de Jesus têm a  mesma identidade cristã. E qual é? «Sois verdadeiramente meus discípulos» (Jo 8, 31). A identidade cristã não é um documento que diz «eu sou cristão», um bilhete de identidade: não. É um discipulado. Tu, se permaneceres no Senhor, na Palavra do Senhor, na vida do Senhor, serás um discípulo. Se não permaneceres, serás alguém que simpatiza com a doutrina, que segue Jesus como um homem que pratica tanta caridade, tão bom, com valores certos, mas é o discipulado a verdadeira identidade do cristão.

E será o discipulado que nos dará liberdade: o discípulo é um homem livre porque permanece no Senhor. E o que significa «permanecer no Senhor»? Deixar-se guiar pelo Espírito Santo. O discípulo deixa-se guiar pelo Espírito, por isso o discípulo é sempre um homem da tradição e da novidade, é um homem livre. Livre. Nunca sujeito a ideologias, a doutrinas dentro da vida cristã, doutrinas que podem ser discutidas... permanece no Senhor, é o Espírito que inspira. Quando cantamos ao Espírito, dizemos-lhe que ele é hóspede da alma (cf. Hino Veni, Sancte Spiritus), que habita em nós. Mas isto, só se permanecermos no Senhor.

Peço ao Senhor que nos faça conhecer a sabedoria de permanecer n'Ele e a familiaridade com o Espírito: o Espírito Santo concede-nos liberdade. E esta é a unção. Quem permanece no Senhor é discípulo, e o discípulo é um ungido, um ungido pelo Espírito, que recebeu a unção do Espírito e a leva por diante. Este é o caminho que Jesus nos mostra para a liberdade e também para a vida. E o discipulado é a unção que recebem aqueles que permanecem no Senhor.

O Senhor nos faça compreender que isto não é fácil: porque os doutores não o compreenderam, não é compreendido apenas com a inteligência; compreende-se com a inteligência e com o coração, esta sabedoria da unção do Espírito Santo que nos faz discípulos.

Oração pela comunhão espiritual

As pessoas que não podem comungar sacramentalmente recebam agora a comunhão espiritual.

Aos teus pés, ó meu Jesus, prostro-me e ofereço-te o arrependimento do meu coração contrito, que se abandona ao seu abismo e à tua santa presença. Adoro-te no Sacramento do Teu amor, a Eucaristia. Desejo receber-te na pobre morada que o Meu coração te oferece. Esperando a felicidade da comunhão sacramental, quero possuir-te em espírito. Vem a mim, ó meu Jesus, que eu vou a Ti. Que o Teu amor inflame todo o meu ser, para a vida e para a morte. Creio em Ti, espero em Ti, amo-Te.

 



© Copyright - Libreria Editrice Vaticana